Confira as nossas resenhas: Não leve a vida tão a sério

Como não levar a vida tão a sério?

 I Por Ligia Borges

I 10 de julho de 2018

 

O texto a seguir não se propõe a ser uma resenha propriamente dita, na verdade, se trata muito mais da minha experiência pessoal e de leitura de Não leve a vida tão a sério, de Hugh Prather.  Bem, não costumo ser muito adepta de livros que se propõem a traçar um manual de regras com passo a passo para você implementar ações de modo a melhorar a sua vida ou que tragam a receita de bolo para garantir a realização dos seus sonhos. Até já li alguns títulos por aí, mas ao contrário do que acontece com as obras literárias, que nunca abandono pela metade, o gênero autoajuda é o tipo que quando me enfadonha deixo logo pelo meio do caminho.

Segundo as pesquisas, esse tipo de leitura encontra-se entre as que mais têm aquecido o mercado editorial nos últimos tempos. As pessoas vêm cada vez mais se interessando pelos títulos que se propõem a fazer um trabalho de “ coaching”, ou seja, a ditarem a fórmula para que trilhem e obtenham sucesso nas mais diversas áreas: profissional, financeira, amorosa, espiritual e prometem a fórmula de sucesso para alavancar a mudança pessoal. As prateleiras das livrarias estão repletas desses títulos que prometem revolucionar a nossa forma de se colocar no mundo e oferecem a solução mágica para todos os nossos problemas. Mas será mesmo? Continue reading “Confira as nossas resenhas: Não leve a vida tão a sério”

Confira as nossas resenhas: O evangelho segundo Jesus Cristo

O dia, ou melhor, o livro em que fiz as pazes com Saramago

I Por Ligia Borges

I 6 de novembro de 2017

O Evangelho segundo Jesus Cristo foi publicado em 1991. Dizem que na época Saramago passou a ser malvisto pela Igreja após publicar esta obra que humanizou a figura de Jesus Cristo.

Assim como muita gente, comecei a ler a obra do escritor português José Saramago por um dos seu livros mais famosos e premiado, o Ensaio sobre a Cegueira. Essa obra rendeu ao autor um dos prêmios mais importantes da literatura portuguesa que é o Prêmio Camões, em 1995, e foi adaptada para o cinema pelo brasileiro Fernando Meirelles em 1997. Acontece que na época em que o li, devia ter uns 14 anos, acho que não tinha maturidade o suficiente para compreender a dimensão da obra e a grandeza de estilo do autor com a sua ausência de parágrafos e pontuação definida para introduzir a fala dos personagens. E foi assim que o estrago estava feito, terminei o livro porque sou persistente, mas detestei Saramago e, digo mais, passei anos afirmando para mim mesma e para as outras pessoas a dificuldade que é ler a obra do escritor.

E aqui faço um parêntese muito rápido, acredito que alguns livros ou alguns autores requerem uma certa maturidade ou uma contextualização para serem lidos e melhor compreendidos.  Dia desses conversava com uma amiga e ela me dizia que até hoje agradece muito a uma professora que a iniciou na obra de Clarice Lispector por meio de A hora da Estrela, livro mais acessível e simples do ponto de vista da linguagem, e que se o tivesse feito por meio de outros títulos como A Paixão segundo GH, por exemplo, que é considerado um dos livros mais densos do realismo psicológico, porque revela uma imersão mais profunda na introspecção com um mergulho na psique dos personagens, teria detestado Clarice.

Essa mesma amiga, que é uma das maiores admiradoras da obra de Saramago que conheço, me emprestou O Evangelho Segundo Jesus Cristo. Graças a insistência dela, baixei a guarda e resolvi dar uma segunda chance a Saramago. E, acreditem, me surpreendi, pois o livro é muito bom. O autor simplesmente reconta uma das histórias mais conhecidas da humanidade, que nos vem sendo contada há tantos séculos: a vida de Jesus Cristo, só que a partir da visão do próprio Cristo. Saindo da ótica do divino para fazer um retrato da passagem de Cristo pela terra sob a perspectiva do homem, a partir da frágil, mas tenaz natureza humana … o resultado? Um Jesus Cristo de carne e osso como nunca ousamos enxergar. E o autor recria essa história por meio de uma narrativa criativa e encantadora que prende a atenção do leitor do início ao fim, mesmo seguindo fiel ao estilo Saramago de ser: sem pontuação marcada ou parágrafos definidos.

E o resultado disso tudo é que terminei a leitura com vontade de ler outros títulos do autor, farei isso, conto para vocês essa experiência nos próximos posts.

” A ocasião pode sempre criar uma necessidade, mas se a necessidade é forte, terá de ser ela a fazer a ocasião”

                                                           Maria. ( O Evangelho Segundo Jesus Cristo)

Uma curiosidade:  Saramago que era ateu publicou O Evangelho segundo Jesus Cristo em 1991. Dizem as línguas literárias, e aqui não me atrevo a dizer se boas ou más, que na época ele passou a ser malvisto pela Igreja após publicar esta obra que humanizou a figura de Jesus Cristo. A polêmica foi tão forte que o escritor decidiu se isolar com Pilar, sua esposa, na ilha de Lanzarote, a mais oriental do arquipélago das Canárias, na Espanha.

Sobre o autor: Saramago nasceu em 16 de novembro de 1922, em uma família humilde de agricultores que morava na Aldeia da Azinhaga, localizada próxima da província do Ribatejo, em Portugal.

Um dos maiores escritores da literatura portuguesa, José Saramago entrou para história ao se tornar o primeiro autor de língua portuguesa a ganhar um Nobel da Literatura em 8 de outubro de 1998.

Escreveu diversos livros, além de O Evangelho segundo Jesus Cristo publicou também : O ano da morte de Ricardo Reis; O ano de 1993; A bagagem do viajante; O caderno; Cadernos de Lanzarote; Cadernos de Lanzarote II; Caim; A caverna; O conto da ilha desconhecida; Claraboia; Don Giovanni ou dissoluto absolvido; Ensaio sobre a cegueira; Ensaio sobre lucidez; História do cerco de Lisboa; O homem duplicado; In Nomie Dei; A intermitências da morte; A jangada de pedra; A maior flor do mundo: Manual de pintura e caligrafia; Objecto quase; As pequenas memórias; Que farei com este livro?; Todos os nomes: Viagem a Portugal; A viagem do elefante; Alabardas, Alabardas, Espingardas, Espingardas.

Ficha técnica do livro

Título: O Evangelho Segundo Jesus Cristo

Autor: José Saramago

Editora: Companhia das Letras

Ano: 2010

Edição: 1ª edição (1991), 43 reimpressões

Total de Páginas: 445pgs