Causos Literários da Srta Borges: Se for de paz, pode entrar

Se for de paz, pode entrar

I Por Ligia Borges

I 2 de agosto de 2018

Já faz algum tempo que um leitor aqui do estoriando me fez um pedido. Ao ler o texto  O Jardim e a Literatura de Jorge Amado e Zélia Gattai  sobre a minha visita a Casa de do Rio Vermelho , em Salvador, ele me disse que gostaria de ler um outro texto menos informativo, menos jornalístico e mais subjetivo em que eu descrevesse as minhas emoções e sentimentos ao visitar aquele espaço. Esses dias, eu atendi o pedido dele e compartilho esse texto aqui com vocês, meus queridos leitores.

 

Brasília, 10 de julho de 2018

Evandro,

Já se passaram quatro meses desde que estive na Casa do Rio Vermelho, a residência onde viveu por mais de 40 anos o casal de escritores baianos Jorge Amado e Zélia Gattai. O tempo transcorrido desde que visitei o refúgio dos escritores fez com que eu tivesse uma outra visão da casa, dos objetos e até mesmo da  própria sensação experimentada durante aquela manhã em que me hipnotizei enquanto observava os detalhes e referências que marcaram a vida e a obra do casal dos escritores. O distanciamento dos fatos, às vezes, faz com que a nossa memória imprima uma espécie de idealização ou romantize algumas experiências que, neste caso, acredito se tratar de algo positivo, afinal de contas estamos falando de uma vivencia subjetiva e literária.

Se você tivesse me pedido para relatar essas experiências nos primeiros dias da minha visita, eu me prenderia a informações que apurei a respeito da vida do casal de escritores, das influências deles, da obra literária, como o fiz no outro texto, muito mais objetivo e informativo, pois a minha preocupação, certamente, era registrar os dados que colhi naquela visita e mostrar para as pessoas a existência desse espaço e o que ele oferecia em termos de insumo cultural para aqueles que estivessem de passagem por Salvador e quisessem conhecer um pouco mais da vida e obra dos escritores.

Passado esse tempo e superada essa necessidade informativa já que o outro texto cumpriu este papel que eu mesma me impus, quero compartilhar contigo aqui o que realmente senti visitando aquele espaço, me desprendendo um pouco da “obrigação” jornalística de te informar sobre a obra dos escritores, já que você se interessou mais pela minha experiência e emoções sentidas naquele espaço. Continue reading “Causos Literários da Srta Borges: Se for de paz, pode entrar”